Mateus 28:19

De acordo com Mateus 28:19 os crentes devem ser batizados em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Mas em Atos se diz que os crentes eram batizados em nome de Jesus. Há uma contradição aqui?

Não categorizado November 30, 2006

This page is also available in: English Español

De acordo com Mateus 28:19 os crentes devem ser batizados em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Mas em Atos se diz que os crentes eram batizados em nome de Jesus. Há uma contradição aqui?

Existem muitas maneiras de responder a esta pergunta. A mais fácil seria concluir que diferentes fórmulas batismais eram usadas na igreja apostólica e, portanto, não haveria nenhuma razão para tentar harmonizar essas duas fórmulas. Isso é possível, mas muito improvável se Jesus, como Mateus indica, deu uma direção explícita sobre essa questão. Além disso, parece que a frase presente em Atos não se refere a uma fórmula batismal. Se ela se referir a uma fórmula, ela seria uma forma abreviada que não nega a existência ou o uso da fórmula completa. Seguem alguns comentários a esse respeito. 1. A Fórmula Trinitariana: Em Mateus 28:19 Jesus deu a seus discípulos instruções bastante específicas a respeito da necessidade e da maneira de se fazer discípulos. O uso da fórmula trinitariana é parte dessas instruções. A pessoa a ser batizada é plenamente unida à Divindade através de Cristo (cf. Jo 17:21). Por que é usada a fórmula trinitariana? Por que não é suficiente dizer “em nome de Jesus”? A resposta mais provável é encontrada na própria experiência batismal de Jesus Cristo. Durante seu batismo as três pessoas da Divindade estavam presentes. A voz do Pai foi ouvida, a presença do Espírito foi manifesta sob o símbolo de uma pomba, e o Filho, em carne humana, saiu da água. O batismo de Jesus se tornou um modelo para os crentes. Ele representou a experiência que aqueles que se tornariam seus discípulos iriam experimentar. Em seu batismo Ele revelou que somente através dele mesmo é que nós podemos desfrutar de comunhão com a Divindade, plena união com o Trio Celestial. Para Jesus, ser batizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo era um reconhecimento público do poder salvador de sua vida e ministério, através dos quais nós somos unidos à família celeste. Nós não deveríamos estar surpresos ao descobrirmos que a fórmula trinitariana se tornou a fórmula batismal na igreja cristã. Isso é biblicamente coerente; isso foi feito - e continua sendo feito - em obediência ao Salvador ressurreto. 2. A Fórmula Cristológica: No livro de Atos encontramos as expressões “cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados” (2:38); “E ordenou que fossem batizados em nome de Jesus Cristo.” (10:48); “foram batizados em o nome do Senhor Jesus.” (19:5). Muito pode ser dito sobre essas passagens. Primeiro, todas elas estão relacionadas à obra de evangelismo; pessoas eram convidadas a serem batizadas em nome de Jesus. Isso é importante teologicamente pois indica que estava sendo pedido que essas pessoas colocassem confiança em Jesus como seu Salvador. Em Atos o nome de Jesus é o único nome pelo qual as pessoas podem ser salvas (4:12). Uma vez que havia a ênfase em Jesus como Salvador não havia a necessidade de se fazer referência à fórmula trinitariana por completo. Um segundo ponto, intimamente relacionado com o ponto previamente abordado, é que o propósito da frase “sejam batizados em nome de Jesus” não era o de indicar que as pessoas eram batizadas usando a seguinte fórmula: “eu te batizo em nome de Jesus.” De fato, durante o batismo o novo convertido confessava o nome de Jesus Cristo em um compromisso pessoal com ele. Nós lemos “Levanta-te, recebe o batismo e lava os teus pecados, invocando o nome dele” (22:16). A frase “invocando o nome dele” remete ao Antigo Testamento, onde invocar o nome do Senhor significa confiar nEle, adorar a Ele e confessar pertencer a Ele (cf. Gn 4:26). Quando as pessoas eram convidadas a serem batizadas em nome de Jesus, se lhes pedia não somente que reconhecessem a Ele como seu Salvador mas, também, como alguém digno de adoração, confiança e como seu Senhor. O terceiro ponto é que as passagens em Atos nas quais o batismo em nome de Jesus é mencionado não tinham a intenção de descrever a fórmula batismal usada no ato do batismo em si. As passagens não estavam descrevendo como o santo batismo acontecia, mas, sim, o que era esperado do novo converso. A afirmação “seja batizado em nome de Jesus” não era, propriamente falando, uma fórmula batismal.